JovemGuarda_Logo(PNG)
Final da Página
www.edimilsonmendes.com
* OUTROS ARTISTAS DA Jovem Guarda * - Biografias
   
Ot_bobby-di-carlo
BOBBY DE CARLO - Roberto dos Santos, nasceu no dia 30/06/1945 em São Paulo. Cantor e compositor, começou a carreira em 1960, cantando rock, ao gravar pela Odeon "Oh! Eliana" (de Marcucci, De Angelis e Sérgio Freitas) e "Quero Amar" (versão de Fred Jorge para música de Deane e Weisman).
  No ano seguinte gravou "Broto Feliz" (de Marcucci, De Angelis e Sérgio Freitas" e "Amor de Brotinho" (de Ballard e Hunter, com versão de Sérgio Freitas). Foi no período da Jovem Guarda que obteve seu maior êxito, "Tijolinho", em 1966, que o levou até mesmo a ganhar o Troféu Chico Viola daquele ano. Em 1985, Paulo Barnabé e a Patife Band regravaram a música.
 Ele gravou ainda, entre outras canções: "A Boneca Que Diz Não"; "Brotinho Sem Ninguém"; "O Ermitão"; e "Soluçando". E encerrou sua carreira no início da década de 1970.
   
Ot_brasilian-bitles
BRAZILIAN BITLES  - O estudante "Luiz Toth" vivia cuidando de sua churrascaria em Copacabana, no Rio de Janeiro. Após assistir ao filme dos Beatles 'Os Reis do Iê-Iê-Iê', saiu do cinema com uma com uma idéia fixa (criar um grupo musical que imitasse as músicas e os trejeitos do quarteto de Liverpool "Paul, John, George e Ringo". Ligou para amigos e em poucos meses já com os cabelos mais crescidos comandava os Brazilian Bitles. A estréia não foi muito boa, mas aos poucos gravaram alguns compactos até o sucesso acontecer. O grupo foi contratado pela TV Excelsior e se transformaram num dos grandes nomes do rock brasileiro dos anos 60.
 Foram convidados a participar de uma missa animada pelos embalos  da Jovem Guarda na Igreja Nossa Senhora da Paz, em Ipanema. A irreverência aumentou ainda mais a fama do grupo que gravou seu primeiro Lp "É Onda", sucesso de vendas em todo o país.
 Além Luiz Toth, faziam parte da banda: Fábio (no Contrabaixo); Eli Barra (no Ógão), o descobridor de [Ronnie Von, que chegou a participar também do grupo]; Vitor Truco (na Guitarra-solo); e Jorge Eduardo (na Guitarra-ritmo).
 Alguns sucessos da banda: "CABELOS LONGOS"; "IDÉIAS CURTAS"; "QUAL A RAZÃO?"; RAINHA DOS MEUS SONHOS"; TUDO COMEÇOU COM UM OLHAR; "O BARQUEIRO"; etc.
   
Ot_celly-campello
CELLY CAMPELLO - Célia Campelo Gomes Chacon, nasceu em São Paulo em 18/6/1942 e faleceu em Campinas (SP), no dia 4 de março de 2003. Aos seis anos apresentou-se pela primeira vez na Rádio Cacique, de Taubaté (SP), cidade onde se criou. Ainda criança, estudou violão, piano e balé e, aos 12 anos, já tinha programa próprio na Rádio Cacique. Gravou seu primeiro disco (Odeon), aos 15 anos, cantando "Handsome Boy" (Mário Genari Filho e Celeste Novais), a mesma dupla de autores de Forgive Me, interpretada por seu irmão, Tony Campello, do outro lado do disco.
 Ainda em 1958 estreou na televisão, no programa Campeões do Disco, da TV Tupi, de São Paulo. Durante dois anos, a partir de 1959, apresentou o programa "Celly e Tony em Hi-Fi", na TV Record de São Paulo, e nesse mesmo ano, começou a colecionar prêmios: ganhou o troféu Chico Viola (1959, 1960, 1961, 1962, este em conjunto com Tony Campello), o Roquete Pinto (1959, 1960 e 1961) e o Tupiniquim (1959).
 Até 1962, participou de shows e programas de televisão por todo o país. Foi a primeira grande estrela nacional do rock'n'roll, tendo gravado oito LPs, nos quais se destacou com as músicas "Estúpido Cupido" (de Neil Sedaka e H. Greenfield, versão de Fred Jorge), "Lacinho Cor de Rosa" (de Michie Grant, versão de Fred Jorge), "Banho de Lua" (de P. de Fillippi e F.Migliacci, versão de Fred Jorge), "Túnel do Amor" (de Patty Fischer e Bob Roberts, versão de Fred Jorge), "Hei Mama" (de Paul Anka, versão de Fred Jorge), "Broto Legal" (de H. Earnhart, versão de Renato Corte Real) e "Billy" (de Kendis & Pauley e Joey Goodwin, versão de Fred Jorge), gravações feitas de fins de 1958 a 1960.
 Participou de dois filmes "Jeca Tatu" (dirigido por Milton Amaral, 1959) e "Zé do Periquito" (dirigido por Mazzaropi e Ismar Porto, em 1960) e, em 1962, quando se casou, parou de cantar, só voltando para participar do Festival de Música Popular de Juiz de Fora (MG), em 1972, e para uma temporada, em 1975, na série "Cuba-Libre em Hi-Fi", da boate paulista Igrejinha, onde se apresentou ao lado de outros cantores que fizeram sucesso na sua época, como Tony Campello, Carlos Gonzaga, Ronnie Cord, George Friedman, Baby Santiago e Dan Rockabilly.
 Em 1975-1976, seu sucesso "Estúpido Cupido" serviu de tema e inspiração da telenovela homônima, da TV Globo. Na década de 1970 gravou um LP e vários compactos pela RCA. Faleceu em 2003, vítima de câncer de mama contra o qual lutava desde 1996.
   
Ot_cidinha-santos
CIDINHA SANTOS - Seu nome era Ilze Aparecida, nascida no dia 08/12/xxxx na cidade de Franco da Rocha, interior de São Paulo. Ainda criança era levada por seu pai para cantar em programas infantis. Na adolescência, participou de programas de calouros e em vários ganhou em primeiro lugar e, num deles o prêmio foi a gravação do seu primeiro single. Na Jovem Guarda adotou o nome artístico de "Cidinha Santos" e passou a participar de vários programas de TV. Em 1967 gravou uma música (de autoria de Roberto Carlos): "Telefonema". Após o final do programa Jovem Guarda se afastou do mundo artístico, dedicando-se aos filhos "Dino Junior e Daniele", cujo pai era Dino (que fez dupla com Deny).
 Em 1980, voltou como "Cinthia" e gravou um de seus grandes sucessos "De Mulher Prá Mulher". Em 1992 gravou mais um sucesso "Melô do Diabinho".
 Em 1994 estreou como comunicadora na Rádio Capital, de São Paulo. Em 1998 foi para a Rádio América, e atualmente (2015) está na Rádio Iguatemi.
   
Ot_claudio-fontana
CLÁUDIO FONTANA - Cantor e compositor maranhense. Mudou com a família para o Rio de Janeiro ainda criança indo morar na cidade de Duque de Caxias. Em 1968 teve as composições "Aliança de Brinquedo" e "Pequenina Lágrima", (em parcerias com Wanderley Cardoso), gravadas pelo mesmo em LP, pela Copacabana. Por essa época obteve seus maiores sucessos, "Doce de Coco" e "O Canudinho", ambas gravadas por Wanderley Cardoso. O sucesso de "Doce de Coco" foi tão grande que permaneceu longo tempo como epíteto de apresentação de Wanderley Cardoso. Em 1969, Antônio Marcos gravou "Vieram Me Dizer", naquele que era seu primeiro LP, pela RCA. No mesmo ano, a composição "Adeus Ingrata", marcou grande sucesso popular, em gravação feita pelo próprio Cláudio Fontana. Em 1970, compôs "O Homem de Nazaré", que se tornaria grande sucesso, em 1973, na voz de Antônio Marcos. Nesse mesmo ano, Antônio Marcos gravou "Sozinho", em LP lançado pela RCA e "Minha Amiga, Minha Namorada", (parceria com Antônio Marcos).
 Com o declínio do movimento da Jovem Guarda, começou a compor músicas para artistas sertanejos. Em 1976 lançou LP pela gravadora Copacabana. Em 1984, Antônio Marcos gravou "Romântico", no LP "O Sonho Não Acabou", lançado pela RCA. Em 1988 a dupla Lourenço e Lourival gravou "Separados". Em 2000, lançou CD que incluía diversas composições próprias, inclusive "O Homem de Nazaré", que somou 42 regravações, por diversos artistas, não só em português, como também em inglês, francês e espanhol. Em 2007, foi atração especial no programa de Nerivan Silva, na Rede TV. Na ocasião, contou um pouco de sua trajetória e interpretou "Adeus Ingrata" e "O Homem de Nazaré".
   
Ot_cleide-alves
CLEIDE ALVES - Cleide Alves da Silva, nasceu no Rio de Janeiro em 05/12/1946 e, faleceu no dia 06/03/2015. Surgiu no início dos anos 60 quando gravou na Copacabana, seu primeiro disco (um 78 RPM): "Help, Help, Mammy"(autoria de Fernando Costa, Alfredo Max e Chamarelli) e, "Seguindo e Cantando" (autoria de Roberto Aroeira).
 - Primeira cantora a gravar, fazendo bastante sucesso, uma música de autoria de Roberto Carlos e Erasmo Carlos "PROCURANDO UM BROTO" em 1962.
 - Nesse mesmo ano participou do LP "TWIST" de Renato e Seus Blue Caps, cantando "CHEGA [MAKIN LOVE" (autoria de Floyd Robinson e Versão: Demétrius) / "MEU ANJO DA GUARDA" (autoria de Rossini Pinto e Fernando Costa) / "HEY, BROTINHO" (Autoria de Rossini Pinto e Fernando Costa) / e "NAMORANDO" (Autoria de Carlos Imperial).
 - Em 1964 gravou "Beijo Quente" / "Brotinho Transviado" / "Mamãe Acha Que É Normal" /  e "Surpresa De Domingo" (autoria de Roberto Carlos e Erasmo Carlos); além de "Cara De Pau" (autoria de Roberto Carlos e Jeanet Adib). E, em 1970 gravou "Tenho Minhas Razões" (autoria de Roberto Carlos e Rossini Pinto).
 - Ainda em 1970 gravou o LP "Canções de Nós Dois", cuja música com este título, é de autoria de Vinícius de Moraes.
   
Ot_demetrius
DEMÉTRIUS - Demétrio Zahra Neto, cantor e compositor, nasceu em São Paulo em 28/3/1942. Iniciou a carreira em fins da década de 1950, gravando rocks no selo Young, como "Hold Me So Tight" (de sua autoria).
 Em 1961 passou para a gravadora Continental, emplacando vários êxitos, entre eles "A Bruxa" (Baby Santiago), em 1964, e "Ritmo da Chuva" (Rhythm of the Rain, de John Gummoe, versão dele próprio), no mesmo ano. Mudando-se para a RCA em 1965, lançou "Ternura" (sua versão para Somehow it Got to Be Tomorrow Today, de 'Estelle Levitt'), versão que faria mais sucesso na voz de Wanderléia, em 1966.
 Além de gravar rocks, compôs canções em estilo sertanejo, como "O Que Será Que as Outras Têm Que a Linda Não Tem?", grande sucesso com Ari Toledo em 1969, na gravadora Fermata. Entre suas composições que gravou com êxito sobressaem "Ei, Meu Pai" (RCA, 1971 ) e "Nas Voltas do Mundo" (RCA, 1973).
   
Ot_deny&dino
DENY & DINO - Dupla vocal formada pelos cantores e compositores DENY (José Rodrigues da Silva, nascido em São Paulo (SP), em 25/04/1941) e DINO (Décio Scarpelli, nascido em Santos (SP), em 09/03/1942 e falecido em Marabá (PA), em 15/08/1995).
 Conheceram-se em Santos em 1956 e, identificados pelo mesmo gosto musical - o rock , decidiram apresentar-se em dupla.
 No final da década de 1950, exibiram-se como "Os Boa Pinta" em programas de rádio e boates. Na década seguinte, convidados para participar dos programas de televisão de Hugo Santana, adotaram os cognomes de Deny e Dino, gravando o primeiro compacto na Odeon, com a música "Coruja" (da dupla), que obteve sucesso.
 Presentes no programa Jovem Guarda da TV Record, de São Paulo, lançaram outras composições, como "Eu Não Me Importo, Lição de Moral" e "O Estranho Homem do Disco Voador", incluídas no LP Coruja (Odeon, 1966).
 Em 1969 a dupla gravou o LP Deny e Dino (Odeon).
 Os sucessos da dupla incluem: "O Maior Golpe do Mundo" (Continental, 1975), com música-título (de Marcos Lago e Dino Rossi), e "Cantem Comigo" (Top Tape, 1973).
 Após a morte do companheiro em 1994, Deny continuou carreira com outro parceiro, que manteve o cognome Dino, e gravou o CD Essencial (selo Acervo, 1995), com regravações de antigos sucessos ao lado de músicas novas. Deny participou também de shows comemorativos dos 30 anos da Jovem Guarda e passou a apresentar programas de rádio dedicados ao rock das décadas de 1950 e 1960.
   
Ot_ed-carlos
ED CARLOS - Cantor e compositor, surgiu na época da Jovem Guarda. O começo não foi fácil. Fã do Iê-Iê-Iê, o menino ficou de plantão na porta do hotel que Roberto Carlos se hospedava em São Paulo, aguardando uma chance de abordá-lo. Quando surgiu  não vacilou. Pediu para cantar no programa JOVEM GUARDA. Por ter sido apadrinhado por Roberto Carlos, o então garoto de 14 anos (nascido em São Paulo em 1951), ganhou o epíteto de "Reizinho da Jovem Guarda".
 Gravou composições de Roberto Carlos: "Edifício de Carinho" (de Roberto Carlos e Tom Gomes); "É Difícil Amar na Minha Idade" (de Roberto Carlos e Erasmo Carlos); "Meu Primeiro Amor" (de Roberto Carlos e Erasmo Carlos).
 Assim como Roberto, passou a fazer músicas românticas, homenageando inclusive, Roberto Carlos com a música "Roberto, Meu Amigão", lançada em compacto de 1979.
   
Ot_ed-costa
ED COSTA - Surgiu na época da Jovem Guarda e foi foi contratado pela RCA onde gravou em setembro de 1967, a música "LUCINHA", (autoria de Erasmo Carlos e Roberto Carlos) e em 1968 "NÃU QUERO MAIS SABER DE MIM" (autoria de Roberto Carlos).
   
Ot_ed-wilson
ED WILSON - Edson Vieira de Barros, nasceu em 29/7/1945 no Rio de Janeiro e faleceu dia 03/10/2010, foi cantor e compositor, criado no subúrbio carioca da Piedade, era irmão de Paulo Cesar Barros e Renato Barros, "do Renato e Seus Blue Caps". Iniciou a carreira fazendo parte do grupo Renato e Seus Blue Caps, no qual permaneceria até 1961, lançando-se na carreira solo em 1962, ano em que o conjunto Renato e seus Blue Caps gravou "Comanche", de sua autoria. Atuou na época da Jovem Guarda, sendo, aliás, citado em "Festa de arromba", sucesso de Roberto e Erasmo em 1965. Nesse período lançou o LP "Verdadeiro amor". Em 1967 Wanderléa gravou de sua autoria as músicas "Acho que vou lhe esquecer" e "Vou lhe deixar", esta em parceria com o irmão Paulo César Barros . No mesmo ano, compôs com o irmão Renato Barros a música "A saudade que ficou", gravada por Renato e Seus Blue Caps. Em 1971 teve as músicas "Agora é tarde", "Não é nada disso", com Gelson e "Sou louco por você", com Renato Barros, gravadas por Renato e Seus Blue Caps. Em 1983 Jerry Adriani gravou "Pra lembrar nós dois", em disco pela Polyfar. Voltou a fazer sucesso em 1985, quando Gal Costa lançou no LP "Profana" a canção "Chuva de prata", parceria dele com Ronaldo Bastos que fez sucesso e foi composta em homenagem a Celly Campelo. Em 1998, a cantora Angélica gravou "Tudo tem sua hora", em CD pela Sony Music.
   
Ot_elizabeth
ELIZABETH - Elizabeth Sanches nasceu em 1948 no bairro da Tijuca no Rio de Janeiro. Cantora, compositora, ficou conhecida como a "Gatinha do mato". Começou a aparecer em 1966, quando foi ouvida em um colégio pelo compositor João de Barro, o Braguinha, que resolveu lançá-la. No mesmo ano, gravou um compacto simples pela RCA com "Que saudade que eu tenho" e "Tanto azul". Foi escolhida como revelação do ano. Em 1967, teve a música "Pelo bem maior" gravada pelo cantor José Ricardo na RCA Victor. Nessa época, já tinha cerca de 300 composições. Por essa época, gravou o LP "A canção que chegou" e um compacto simples com a música "Pedro pedreiro", de Chico Buarque. No mesmo ano, fez com David Nasser a "Balada do Vietnam", inscrita no Festival da MPB e gravada por ela em compacto simples, juntamente com "Chegada do rancho". Nesse ano, teve as músicas "Carretel", gravada por Dóris Monteiro e "Mundo imenso", por Luizinho. Em 1968, Erasmo Carlos gravou "Mil biquines" no LP "Baby, baby" da RGE.
 No início da carreira fazia uma mistura de samba, bossa e balanço, mas acabou ficando conhecida como cantora romântica a partir do sucesso "Sou louca por você". Em 1971, Agnaldo Timóteo gravou na Odeon "Identificação" e Jerry Adriani "Você vai saber", na CBS.
   
Ot_giane
GIANE - Georgina Morozini dos Santos, nasceu na cidade de Bebedouro-SP em 1936. Ainda era pequena quando a família mudou-se para para Jabuticabal  onde foi crooner da "Orquestra de Jabuticabal". Iniciou como cantora durante a Jovem Guarda, em meados da década de 1960. Seu primeiro disco foi um 78rpm "QUERO VER" (de: Jorge Costa - Kiko); e "POR ACASO" (de: Antonio Ávila - Paulo Aguiar), lançado em 1962. O primeiro LP ["Esta é Giane, a Voz Doçura"] cujo maior sucesso foi "DOMINIQUE" (de: Soeur Sourine - Versão de: Paulo Queiroz) lançado em 1964. Nesse ano ganhou o "Troféu Chico Viola" Em 1965 recebeu o "Trofeu Roquette Pinto" como melhor cantora do ano. Em seguida gravou vários LPs.
 Em 1974 se destacou com a música "ESTRADA DO SOL" ["ALLE PORTE DEL SOLE"] (de: Mario Panzeri - Corrado Conti - L. Pilat - Daniele Pace - Versão de: Tito), grande sucesso de Gigliola Cinquetti ao ganhar o concurso do programa Canzonissima.
   
Ot_joelma
JOELMA - (Joelma Giro). Nascida em 19/9/1945  Cachoeira de Itapemirim, ES. Cantora. Em 1946, mudou-se com a família para o Rio de Janeiro. Abandonou o magistério para dedicar-se à carreira artística. Excursionou pelo Brasil, ainda com 14 anos de idade e cantou em caravanas de artistas, acompanhando Domício Costa. Iniciou sua carreira artística na década de 1940, cantando músicas de Ângela Maria, Agnaldo Rayol e Joselito no programa de rádio "Clube do Guri". Em 1953, foi levada por Emilinha Borba ao programa "Papel Carbono", de Renato Murce, na Rádio Nacional (RJ). Em 1963 gravou seu primeiro disco, pela gravadora Chantecler, interpretando o bolero "Incompreendida", de Leonel Cruz e José Antônio e o samba canção "Só ele", de Roberto Muniz e Heitor Mangeon. Em 1966 gravou o LP "Perdidamente te amarei", também pela Chantecler. No ano seguinte fez sucesso em Portugal com o compacto duplo "Onde estás", "Não te quero mais", "Acredito que te amo" e "Não me deixes não". Entre seus sucessos encontram-se "Não digas nada", de Rossini Pinto e Fernando Costa e "Alguém me disse", de Jair Amorim e Evaldo Gouveia. De grande sucesso popular, fez inúmeras apresentações no exterior e gravou discos em castelhano.
   
Ot_jose-ricardo
JOSÉ RICARDO - Nascido no bairro da Tijuca no Rio de Janeiro. Ele faleceu depois de completar 60 anos, vitima de câncer. Sua primeira gravação aconteceu num teste na RCA Victor, onde cantou o sucesso de Altemar Dutra "TUDO DE MIM" em setembro de 1963. Contratado pela RCA Victor, gravou em 1964 em Compacto Simples obtendo grande sucesso "EU QUE AMO SOMENTE A TI" (Versão de: Aldacir Louro) para a canção italiana "IO CHE AMO SOLO TE" (de: Sergio Endrigo).
 Em 16 de fevereiro de 1965, foi lançado o LP "[Eu Que Amo Somente a Ti"]. O programa "Encontro com os brotos" apresentado por José Messias na Rádio Guanabara, permitiu-lhe ser um dos precursores da Jovem Guarda, que na a partir do programa de TV, estourou em São Paulo.
 Seu nome eternizou-se quando foi Incluído na letra da música "FESTA DE ARROMBA" (de: Roberto Calos - Erasmo Carlos). Realizou centenas de gravações em mais de 60 Compactos Simples/Duplos, LPs e CDs.
   
Ot_jose-roberto
JOSÉ ROBERTO - José Roberto Sá Costa, cantor baiano, estreou na Jovem Guarda em abril de 1967 através do compacto "Deixa Meu Cabelo Em Paz", pela CBS, obtendo grande sucesso com esta canção, tanto que logo em seguida lançou o seu 1º LP, intitulado "OS SUCESSOS NA VOZ DE JOSÉ ROBERTO", que alcançou uma ótima vendagem (em torno de 15 mil cópias nos quatro primeiros meses de seu lançamento). Começava assim, uma carreira de grandes êxitos, através da série de LPs "José Roberto E Seus Sucessos" que se estenderia até meados da década de 70, emplacando vários sucessos nas paradas ao longo deste período, músicas inesquecíveis como "Preciso Esquecer Que Te Amo", "Eu Juro Que Vou Lhe Esquecer", "Por Você Esqueço Até De Mim", "Lágrimas Nos Olhos (de Raulzito)".
   
Ot_katia-cilene
KATIA CILENE - Irmã do cantor "Luiz Carlos Clay", nascida em Garanhuns-Pe, no final dos anos 40, iniciou a carreira artística ainda criança em Recife cantando  músicas românticas do tipo bossa nova. Recebeu o troféu revelação mirim da TV Jornal do Comércio,  e gravou seu primeiro disco, um compacto simples pela gravadora Mocambo, com as músicas: "IÊ-IÊ-LÊ DO SEU MANÉ" e "REI PELÉ", ambas de autoria de Nelson Ferreira, homenageando a seleção brasileira de futebol da Copa do Mundo de 1962.
 No auge da Jovem Guarda em 1966, trocou Recife por Rio de Janeiro e São Paulo, e assinou contrato com a CBS.
 - Em 1967 lançou no Compacto CBS 33468: "A Vida é bela" e "Toda Vez Que Você Pensa" / e no Compacto CBS 33500: "Estou Feliz" e "Brasa Viva"
 - Em 1968 lançou no Compacto CBS 33541: "Meu Bem Só Gosta de Mim" e "Ele e Elezinho" / no Compacto CBS 33582: "Pare de Falar" e "Bilhetinho Apaixonado" / Pela Caravelle no Compacto CAR 1121 "A Manchinha no Lenço" e "Bolha de Sabão" / no Compacto SN: "Garoto Champion" e "Tão Sozinha".
 - Em 1969 no Compacto CBS 33607: "Eu Não Consigo" e "Eu Vou Fazer Você Gostar de Mim".
   
Ot_lafayette
LAFAYETTE - Lafayette Coelho Vargas Limp, nasceu em 11/3/1943  Rio de Janeiro, RJ. Instrumentista. Com apenas cinco anos, começou a ter aulas de piano ministradas por Nair Bevilacqua Barroso Netto e posteriormente, por Zilá Moura Brito, ambas professoras do Conservatório Nacional de Música. Apesar da formação erudita, no final da década de 1950 se tornaria músico de rock.
 Integrante da célebre turma da Matoso, da Tijuca, composta por jovens que depontariam no cenário da música popular brasileira marcando especialmente os anos 1960/70, como Wilson Simonal, Roberto e Erasmo Carlos, Jorge Bem e Tim Maia. Em 1958, formou com alguns amigos o conjunto "Blue Jeans Rock", no qual participava como pianista. Porém, só obteria sucesso na década seguinte, quando integrou o conjunto "Sambrasa", já como organista. Com arranjos de sua autoria para sucessos do rock, o grupo obteve sucesso chegando a acompanhar , Jerry Adriani, Wanderléa, Roberto e Erasmo Carlos,no auge da Jovem Guarda, com quem gravou "Terror dos Namorados". Em 1966, gravou "Lafayette apresenta os sucessos", o primeiro de mais de 30 LPs pela CBS, na qual ficaria até 1980. Seus discos apresentavam versões instrumentais arranjadas por ele para sucessos da época, incluindo trilhas sonoras de filme. Devido à boa vendagem dos seus LPs, recebeu da gravadora um disco de ouro e foi agraciado com o Troféu Chico Viola. Recentemente, lançou um CD em que interpreta apenas músicas de Roberto Carlos. Apontado como o organista oficial da Jovem Guarda por muitos que afirmam que a sonoridade daquele movimento não seria a mesma sem Laffayette e seu órgão Hammond B-3, que pode ser ouvido nos discos do Rei dos anos 1960, com destaque, entre outros, para "Quero que vá tudo pro inferno" e "Não quero ver você triste assim", participou de discos importantes de vários nomes da Jovem Guarda, além do trio Roberto Erasmo e Wanderléa, como Trio Esperança, Golden Boys e Renato e seus Blue Caps.
 Em 2004, aos 62 anos, tocando em bailes e restaurantes de Niterói foi resgatado pelos jovens músicos do grupo "Os Tremendões" que o encontraram tocando forró em um shopping da Zona Norte do Rio. Admiradores da música dos anos 60 em geral, convidaram-no para tocar com eles, surgindo assim o grupo Lafayette e os Tremendões, que tem Melvin no baixo e Marcelo Callado na bateria. O grupo estreou no Teatro Odisséia, na Lapa, em dezembro de 2004. Em 2005, em comemoração aos 40 anos da Jovem Guarda, o grupo apresentou temporada de shows também no Teatro Odisséia, em que receberam convidados como Leoni e a roqueira mexicana Julieta Venegas. Nesse ano, fizeram diversos shows em locais variados, adotando o nome de Lafayette e os Tremendões. Em fevereiro de 2007, às vésperas do carnaval, encerrou, com Os Tremendões, temporada na casa de shows Estrela da Lapa, no Rio de Janeiro, após encher a casa por diversas quintas-feiras. Sem deixar o rock moderno de lado, interpretaram hits da Jovem Guarda como "As curvas da estrada de Santos", "Splsh splash", "Garota papo firme" e a inédita "O pão duro" de Getúlio Cortes.
   
Ot_luiz-carlos-ismail
LUIZ CARLOS ISMAIL - Cantor, compositor, tornou-se amigo de Roberto Carlos em 1961, época em que moravam no mesmo prédio. Começou a fazer backing vocal nas gravações, além de: "tocar 'o apito do guarda de trânsito' em "Parei na contramão"; "dizer 'Eu Sou Frankstein' em "Noite de Terror", etc. A partir de 1978 passou a fazer parte do coral RC-9 em todos os shows e, continua até hoje.
 Entre suas gravações [com o nome artístico de LUIZ CARLOS], constam: em 1966 "VOU FECHAR A PORTA" (autoria de Roberto Carlos e Erasmo Carlos) e em 1967 "VOU BRIGAR COM VOCÊ" (autoria de Roberto Carlos). 
 Entre suas composições constam: "SE EU PUDESSE VOLTAR NO TEMPO" (em parceria com Pedro), gravada por Roberto Carlos em 1970 e "SOU FELIZ COM MAMÃE" (em parceria com Roberto Carlos), gravada por Erasmo Carlos em 1966.
   
Ot_marcio-greyck
MÁRCIO GREYCK - Marcio Pereira Leite, nasceu dia 30/8/1947  Belo Horizonte, MG. Cantor. Compositor. Instrumentista. Iniciou a carreira em sua cidade natal onde já obtinha bastante sucesso quando a convite do disc-jokey 'Dirceu Pereira' foi para o Rio de Janeiro em 1967, e foi aprovado em teste na gravadora Polydor lançando um compacto simples com as músicas "Minha Menina" (versão de Antonio Carlos Wallace para "Eleanor Rigby" [de Lennon e McCartney], gravada pelos Beatles) e "Venha Sorrindo" (de sua autoria).
 No ano seguinte lançou um compacto duplo com as músicas: "Sempre Vou Te Amar"; "Como Um Dia Nascer"; "Ela Me Deixou Chorando"; e "Venha Sorrindo". No mesmo ano participou do LP "Os novos reis do iê-iê-iê", lançado pela Polydor e do qual faziam parte entre outros, o cantor Ronnie Von e o conjunto Brazilian Bitles. Entre 1967 e 1968, foi contratado da TV Tupi de São Paulo comandando o programa "O mundo é dos jovens".
 Em 1972 obteve grande êxito com a canção "Impossível Acreditar Que Perdi Você" (de sua autoria, em parceria com seu irmão 'Cobel', indiscutivelmente seu maior sucesso,  que obteve mais de 50 regravações. Em 1978 teve a música "Vivendo Por Viver" (de sua autoria com Cobel), gravada por 'Roberto Carlos'.
 Radicou-se em belo horizonte onde continuou a apresentar shows na noite.
   
Ot_marcos-roberto
MARCOS ROBERTO - Marcos Roberto Dias Cardoso, nasceu em São Paulo, no bairro do Bixiga, em 06/06/1944. Começou a cantar aos 15 anos, apresentando-se nos programas de Miguel Vaccaro Neto, na Rádio Panamericana, atuando como solista do conjunto "The Cupides". O sucesso demoraou a chegar, até ser descoberto por empresário que o levou a cantar com "Os Vips". Apelidado de "O Pão", o que se traduzia no sucesso de suas canções, entre elas: "FIM DE SONHO"; "AGORA É TARDE"; "ANJO MEU"; "VÁ EMBORA DAQUI", etc.
   
Ot_meire-pavão
MEIRE PAVÃO - Apesar de pouco lembrada, Meire Pavão que surgiu nos anos 60, chegou a ameaçar o reinado de Wanderléa, porque segundo as revistas da época existia uma semelhança física entre as duas. Eleita 'Rainha do Twist' em 1965.
 Ela vinha de uma família musical: o irmão 'Albert Pavão', cantor e compositor, gravou um dos maiores êxitos do final dos anos 50 [Vigésimo Andar, versão brasileira de Twenty Flight Rock de 'Eddie Cochran]. O pai, o professor 'Teotônio Pavão', criou o Conjunto Alvorada (do qual Meire ainda adolescente, fez parte), que gravou  o hit [Lição de Twist].
   
Ot_nilton-cesar
NILTON CÉSAR - Nilton Guimarães, natural da cidade de Ituiutaba, no triangulo mineiro, desde pequeno cantava em festinhas e demonstrava grande talento para música. Quando completou 17 anos, saiu de Minas e foi estudar no Rio de Janeiro. Porém, seu desejo maior era tentar a sorte no mundo da música Participou de vários programas de calouros, e algum tempo depois , seguiu o conselho de alguns amigos , que diziam a Nilton que em são Paulo haveria mais chance de um contrato de gravação. Em 1962, grava seu primeiro 78 rotações, lançado pela RGE. Em 63, Nilton Cesar é contratado pela Continental, gravando boleros e guarânias, logo conhece o sucesso ,com "casa Vazia"e "Lábios Vermelhos".Em 65, grava um de seus maiores êxitos: "Professor Apaixonado".Já consagrado como um grande interprete de temas românticos, essa gravação abre para Nilton Cesar espaço tambem na música jovem, que seria uma constante no seu LP de 1966, do qual fazem parte várias músicas presentes neste volume da série Vitrola Digital. Nilton Cesar gravou tambem 6 LPs em espanhol, e com a música "Lenita", foi o primeiro brasileiro a ter uma música gravada em português em primeiro lugar na Argentina. E foi assim, com versatilidade e originalidade, principalmente,com incrivel capacidade de ser popular, de se comunicar por meio da música, que Nilton Cesar construiu sua carreira. Dono de voz marcante e estilo inconfundivel, venceu com trabalho e inspiração, o garoto que um dia ouviu Nélson Gonçalves, Orlado Dias, Cauby Peixoto e tantos outros. Cantores que significavam para Nilton Cesar valiosas influências musicais, que aliadas ao seu talento natural, o transformaram no excelente artista que é.
   
Ot_os-carbonos
OS CARBONOS - ("Mário Bruno Carezzato", "Humberto Carezzato Sobrinho", "Raul Carezzato Sobrinho", "Ricardo Fernandes de Morais" e "Antônio Carlos de Abreu"), grupo vocal e instrumental de rock formado no início da década de 1960, em São Paulo (SP), com Mário Bruno Carezzato - São Paulo - 1942: teclados; Humberto Carezzato Sobrinho - São Paulo - 1946: baixo; Raul Carezzato Sobrinho - São Paulo - 1946: vocal; Ricardo Fernandes de Morais - São Paulo: guitarra; e Antônio Carlos de Abreu - São Paulo - 1946: bateria.
 Foi um dos conjuntos pioneiros na reprodução fiel de sucessos estrangeiros, fazendo o que atualmente se convencionou chamar de "cover". Integrado por três irmãos, sendo dois gêmeos, que eram sobrinhos dos Trigêmios Vocalistas. Apresentou-se no início como The Witchcraft, e posteriormente mudou o nome para Os Quentes, com o qual lançou um compacto pelo selo Mocambo/Rozenblit. Em 1966, por sugestão da gravadora Beverly, adotou o nome Os Carbonos, referência tanto à aparência semelhante dos irmãos, como à opção do conjunto por fazer versões idênticas de sucessos internacionais. Lançou vários discos nessa linha, obtendo algum êxito. Músicos de estúdio requisitados, acompanharam alguns integrantes da Jovem Guarda, entre eles Paulo Sérgio e Wanderley Cardoso. Gravou também com artistas mais relacionados ao estilo que se convencionou chamar de "brega", como Nelson Ned, Morris Albert e a dupla João Mineiro e Marciano. Em 1968 lançou pela Beverly o LP "As 12 mais da juventude". Ao longo da década de 1970, modificaram o nome diversas vezes. Apresentaram-se como Andróides, The Mackenzie Group, Carbono 14 e The Magnetic Sounds. Com o último, gravou a série de LPs "Super erótica", na qual acompanharam os cantores Gilbert e Norma Aguiar. Recentemente fez shows e gravações com o cantor Gilliard. Ao longo dos anos 1970 gravou diversos LPs, entre os quais, "Seleção de ouro", "Dez super sucessos" e "12 mais da juventude volume 2", todos pela Beverly.
   
Ot_os-jovens
OS JOVENS - Dupla formada por "Francisco Fraga" e "João José" que fez relativo sucesso entre 1965 e 1969, na Jovem Guarda. Gravaram "vários Compactos" e apenas "um Lp, Álbum de 1967". Suas gravações tiveram acompanhamento de Renato e Seus Blue Caps. Gravaram na CBS, na POLYDOR e na RCA.
 Seu maior sucesso foi "VOCÊ FALA DEMAIS" (composição de Francisco Fraga).
   
Ot_os-vips
OS VIPS - Dupla vocal formada em São Paulo SP pelos irmãos Ronald Luís Antonucci (São Paulo 1944-) e Márcio Augusto Antonucci (São Paulo 1945-). Começaram cantando sozinhos, participando do programa de TV Festival dos Bairros, em 1964, resolveram se unir em dupla; dois espectadores do programa eram Palmeira e Alfredo Corletto, produtores da gravadora Continental, que imediatamente contrataram os irmãos. Sua primeira gravação foi Tonight, da própria dupla, incluída no LP Reino da juventude, reunindo artistas participantes do programa homônimo apresentado por Antônio Aguilar.
 A dupla teve vários sucessos, quase todos compostos por Roberto Carlos especialmente para eles: A volta; Emoção; Faça alguma coisa pelo nosso amor. Mudando para a CBS em 1968, tiveram outros êxitos compostos por Roberto, como É preciso saber viver e Largo tudo e venho te buscar.
 Voltaram à Continental em 1970, usando o nome artístico Márcio e Ronaldo e emplacando hits como "Só até sábado" (de: Lilían Knapp).
 Em 1976, a dupla se separou: Márcio tornou-se produtor da gravadora Som Livre. Voltaram a se reunir em 1990, gravando mais um LP "ao vivo" pela Som Livre ["A volta"], lançado em janeiro de 1991 e que vendeu 300 mil cópias) e continuando a fazer shows e ocasionais gravações, como participações nos discos comemorativos de 30 anos da Jovem Guarda, em 1995.
   
Ot_paulo-cesar-barros
PAULO CÉSAR - Paulo César Barros, nasceu no Rio de Janeiro, RJ. Instrumentista. Compositor. Cantor. Formou com os irmãos Edson e Renato o conjunto Renato e Seus Blue Caps, que obteve enorme sucesso no movimento Jovem Guarda. Com o fim do programa Jovem Guarda na Tv Record saiu por algum tempo do grupo indo integrar o conjunto RC7 criado por Roberto Carlos para acompanhá-lo. Em 1971 retornou ao conjunto Renato e seus Blue Caps. Suas primeiras composições gravada pelo conjunto Renato e Seus Blue Caps foram "Sim, sou feliz", parceria com o irmão Renato Barros, "Perdi a esperança", parceria com Marcus Fabiani, "Não quero ver você chorar" e "Gosto de você", versão para a música "Tell me what you see", de Lennon e McCartney, em 1966. No ano seguinte teve a composição "Vou lhe deixar", parceria com o irmão Ed Wilson, gravada pela cantora Wanderléia e que foi um de seus sucessos.
   
Ot_prini-lorez
PRINI LOREZ - José Gagliari Jr.), nasceu dia 8/5/1942  São Paulo, SP. Ex-vocalista do conjunto The Rebels, estreou em disco solo em 1962 pela Chantecler utilizando o nome artístico de Galli Jr. Acompanhado pelo grupo The Jet Black gravou na ocasião as músicas "What I'd say" e "I just wanna make love". No mesmo ano gravou "A menina dos meus olhos" e "Último amor", acompanhado pela Orquestra Chantecler sob a regência do maestreo Élcio Alvarez. Em 1963 o conjunto The Clevers gravou de sua autoria "Menina dos sonhos meus", pela Continental. Em 1964, por iniciativa de José Scatena da RGE trocou o nome artístico para Prini Lorez, passando a imitar o cantor norte americano Trini Lopez. No mesmo ano lançou pela RGE um compacto simples com "América" e "If I had a hammer". Em 1965 participou do programa de estréia da "Jovem guarda", na TV Record.
   
Ot_robert-livi
ROBERT LIVI - Robert Livi nasceu em Buenos Aires, Argentina, em 1942. Lá começou a carreira ganhando um concurso de rock'n'roll. Excursionando pela América do Sul, veio pra São Paulo a convite do empresário 'Carlos Barros' e, acabou ficando no Brasil. Fez sucesso com: "BIENVENIDO AMOR"; "MEDIA NOVIA"; DEJALA DEJALA"; "NO ES NADA"; e seu maior êxito "PARABÉNS QUERIDA" cantando em Português com sotaque espanhol. A partir dos anos 70 se tornou produtor artístico.
   
Ot_ronnie-cord
RONNIE CORD - Ronald Cordovil, cantor e compositor, nasceu em Manhuaçu (MG) em 22/1/1943. Filho do maestro e compositor Hervé Cordovil, aos seis anos começou a aprender violão. Em 1959 fez um teste na Copacabana Discos, no Rio de Janeiro RJ e, no ano seguinte, realizou sua primeira gravação, lançada em LP que reunia vários outros cantores.
 Ainda em 1960, gravou o primeiro disco individual, um 78 rpm, com Pretty Blue Eyes (Teddy Randazy) e You're Knochin'me Out (Neil Sedaka e H. Greenfieid). Seu grande sucesso foi outra música norte-americana, Itsy Bitsy Teenie Weenie Yellow Polkadot Bikini (Lee Pockriss e Paul Vance), com a qual se manteve, durante seis meses, em primeiro lugar nas paradas de sucesso, e que lhe valeu o troféu Chico Viola do ano.
 Em 1961 estreou como compositor lançando Sandy, pela Copacabana. Com Rua Augusta (Hervé Cordovil), lançada pela RCA Victor, recebeu, em 1964 e em 1965, vários troféus. Ainda em 1965 fez muito sucesso com a versão Biquini de bolinha amarelinha (seu sucesso de 1960 em versão de Hervé Cordovil), gravada na RCA Victor.
 Em 1965 e 1966, com seus irmãos Norman e Hervé Júnior (1950-1992), participou dos conjuntos The Cords e Os Cords, que gravou alguns compactos na RCA. Por essa época, atuou em televisão e rádio, no Rio de Janeiro e São Paulo, inclusive no programa Jovem Guarda, da TV Record, do qual participou como contratado nos anos de 1965 e 1966.
 Em 1969 lançou as marchas Mulher e meia (Hervé Cordovil e Manoel Vitório) e Um brinde à lua (Hervé Cordovil). Gravou quatro LPs, sendo os três primeiros em inglês. Abandonou a carreira artística no início da década de 1970, embora participasse esporadicamente de shows de pioneiros do rock brasileiro.
   
Ot_ronnie-von
RONNI VON - Ronaldo Nogueira, cantor e compositor, nasceu em Niterói (RJ) em 17/7/1947. Sua formação musical incluiu os clássicos (principalmente músicas renascentistas e barrocas) e o jazz. Fez o curso ginasial no Rio de Janeiro RJ, foi ator amador e estudou literatura e pintura. Cursou a Escola Superior de Aeronáutica e a Faculdade de Economia, trabalhando, por volta de 1963, com parentes, em mercado de capitais.
 Em 1966, costumava freqüentar o Beco das Garrafas, no Rio de Janeiro, cantando nas suas boates gospels, blues e spirituals. Começou a se interessar por rock em 1964 e no ano seguinte, através de Eli Barra, integrante dos Brazilian Beetles, participou do programa de televisão de Glauco Pereira - BBC no Rio - cantando You've Got to Hide your Love Away, dos Beatles. Vendo o vídeo-tape de sua apresentação no BBC no Rio, Agnaldo Rayol e o produtor Manuel Carlos se interessaram por ele, convidando-o para participar, em São Paulo SP, do Corte-Rayol Show, programa da TV Record que tinha grande audiência. Apresentou-se cantando a canção dos Beatles John Lennon e Paul McCartney, Michelle, começando então a chamar a atenção do público.
 Foi João Araújo, diretor artístico da Philips, que lhe deu a primeira oportunidade de gravar num compacto, ao lado de Maritza Fabiani, Cláudio Faissal e Brazilian Bitles; cantou nesse disco You've Got to Hide your Love Away e Meu bem, a versão que fez de Girl, música de John Lennon e Paul McCartney
 Em outubro de 1966, começou a apresentar na TV Record um programa seu, O Pequeno Mundo de Ronnie Von, produzido por Solano Ribeiro, cujo título era alusivo a seu apelido, Pequeno Príncipe. Ainda em 1966, lançou pela Polydor seu primeiro LP com Pequeno Príncipe (Tommy Standen e Fred Jorge), entre outras. No final do ano, recebeu o prêmio Roquete Pinto, como revelação do ano, e assinou contrato com a Agência de Publicidade Jovem Guarda, para o lançamento de produtos com o seu nome (camisetas, vestidos, vitrolas etc.) e também participou do programa Jovem Guarda.
 Gravou, em 1967, outro LP, pela Polydor, no qual cantou entre outras músicas o sucesso A praça (Carlos Imperial) e Escuta meu amor (Arnaldo Sacomani). No ano seguinte gravou novo LP pela Polydor com Jardim da infância (Nelson e Fábio Luís); lançando anualmente pelo menos um LP, alcançou sucesso com Cavaleiro de Aruanda (Tony Osanah), do LP de 1972, e com Deus sul-americano (com Tony Osanah), do LP de 1973.
 Excursionou por todo o Brasil e também pela América Latina e E.U.A. Além de Tony Osanah, tem parcerias com Arnaldo Sacomani, Sam Martim e Terry Winter. Um de seus últimos sucessos foi Tranquei a vida (com Tony Osanah), lançada pela RCA em 1976.
 Continua se apresentando em shows e gravando esporadicamente; em 1995 participou do disco ao vivo O novo de novo, comemorando 30 anos da Jovem Guarda. Lançou na década de 1990 uma autobiografia, Mãe de gravata.
   
Ot_rosemary
ROSEMARY - Rosemeire Gonçalves, nasceu no bairro de Bonsucesso, Rio de Janeiro (RJ), em 7/12/1945. Aos oito anos, cantou no programa O Clube do Guri, da TV Tupi do Rio Janeiro. Atuou como amadora até seus 14 anos, em 1959, quando adotou o nome artístico de Rosemary.
 Em junho de 62 gravou seu primeiro disco 78 na Continental, Eu Sei, uma versão do sucesso de Bárbara George, I Know. Em seguida, assinou contrato com a RCA, onde gravou vários compactos e lançou em português os sucessos de Rita Pavone.
 Em 1964, gravou seu primeiro LP, intitulado Igual a ti não há ninguém (RCA). Até meados da década de 70 atuou em temporadas no Rio em boates como Sucata (no show Nossa Escola de Samba) e Night and Day, ao lado de Pery Ribeiro.
 A partir de 1976, sua carreira nos palcos tomou impulso por conta de seus shows dirigidos por Abelardo Figueiredo, como Rose Rose Rosemary, no Beco (SP), ficando oito meses em cartaz, excursionando pelo exterior. Em 79, voltou ao Beco com o show Meu Brasil Brasileiro, levado posteriormente a Paris, Londres, Lisboa, Bonn e Estados Unidos, onde no ano seguinte apresentou-se para ex-presidente Jimmy Carter, nas dependências da Casa Branca, cantando Manhã de Carnaval, Feelings e Aquarela do Brasil.
 Em 1982, voltou a ter uma música nas paradas: a balada pop Jóia (“Sou uma mulher/ Preciso ser amada”), de Roberto e Erasmo Carlos, gravada em compacto. Na década de 80 realizou shows como Rosemary Paixão e Rosemary Mulher e trabalhou em novelas, como Ti-ti-ti e Cambalacho, da TV Globo.
 Em 1989, lançou Na Trilha dos Amores, gravado em plena temporada da cantora no Palladium (SP). Gravou também em dueto com Amado Batista e em 1996, lançou o CD Espelho. Em 2000, fez uma turnê por 17 cidades chinesas.
   
Ot_sergio-murilo
SÉRGIO MURILO - Nasceu dia 02/08/1941 e faleceu aos 19/02/1992. Carioca, começa na carreira artística aos 12 anos, como apresentador infantil da TV Rio. Poucos anos depois ganha prêmios como cantor em programas de rádio, participando do elenco do programa Trem da Alegria, da Rádio Tamoio.
 Em 1958 estréia no cinema, com o filme "Alegria de Viver", e no ano seguinte canta na Rádio Nacional e é contratado pela Columbia, que lança "Menino Triste" e "Mudou Muito". Em seguida, graças a outros sucessos como "Broto legal", "Rock de Morte" e "Marcianita" (regravada mais tarde por Caetano Veloso), surge o primeiro LP, "Sergio Murilo".
 A Revista do Rock o elegeu Rei do Rock por suas versões de sucessos norte-americanos, notadamente de Paul Anka e Neil Sedaka. Nos anos 60 apresentou o programa Alô Brotos com Sônia Delfino da TV Tupi, mas depois perdeu espaço no meio artístico e morou por uma época no Peru.
   
Ot_sergio-reis
SÉRGIO REIS - Sérgio Basini, nasceu aos 23/6/1940  São Paulo, SP. Cantor. Compositor. Quando adolescente trabalhou com o pai na fábrica de papelão de propriedade do avô. Os três e mais um tio de nome Henriquinho eram assíduos ouvintes do programa Na Beira da Tuia, de Tonico e Tinoco, na Rádio Nacional. Ganhou dos pais uma viola Giannini e aos 16 anos passou a cantar em programas de rádio e casas noturnas, interpretando músicas do repertório de Lucho Gatica, Trio Los Panchos, Cauby Peixoto, Pepino di Capri e Sérgio Endrigo.
 Em 1958, apresentou-se no programa de Enzo de Almeida Reis, transmitido pela Rádio Bandeirantes. Sua primeira apresentação na televisão foi no programa Calouros Toddy, apresentado na então TV Paulista, atual Globo, por Jaime Moreira Filho, interpretando o sucesso de Cauby Peixoto "Conceição". Por essa época adotou o nome artístico de Johnny Johnson, formando um trio com Márcio e Ronaldo, que mais tarde formariam o conjunto "Os Vips", e que naquela ocasião adotaram os nomes artísticos de Jet Williams e Ronald Red. Ainda em 1958 foi levado por Enzo de Almeida Passos para a Chantecler, sendo apresentado ao produtor Palmeira, que, entretanto, estando à procura de um cantor de boleros, não gostou muito do pseudônimo usado por Sérgio e resolveu trocá-lo, acrescentando o Reis do sobrenome materno ao seu primeiro nome. Em 1961, gravou seu primeiro disco, um 78 rpm com o bolero "Enganadora", de Umberto Silva, Luiz Mergulhão e Souza Lima, e o rock balada "Será", de Valdemar Espínola Garcia. O disco não obteve maiores repercussões e, no ano seguinte, gravou ainda pela Chantecler o rock "Lana", de Roy Orbison e Joe Melsen, em versão de Carlos Alberto, e o calipso "Porque sou bobo assim", de Keller, Hunter, Osvaldo Scaldelay e Jair Fernandes.
 Em 1967, foi levado pelo produtor Tony Campelo que procurava novos compositores, para um teste na Odeon. Passou no teste e gravou um compacto acompanhado pelo conjunto Jet Blacks, com quatro composições suas: "Coração de papel", "Nuvem branquinha", "Fim de sonho" e "Qual a razão". A música "Coração de papel"tornou-se um grande sucesso, levando-o a apresentar-se na TV Record nos programas da Jovem Guarda. No mesmo ano recebeu o Troféu "Chico Viola" por "Coração de papel". No ano seguinte, gravou "Anjo Triste", que, entretanto, não obteve grande repercussão. Em 1972, retornou às paradas de sucesso com a gravação de "O menino da gaita", versão de sua autoria para a composição do espanhol radicado nos Estados Unidos, Fernando Arbex. Com a música em primeiro lugar, apresentou-se no programa Globo de Ouro da TV Globo. Em 1973, ao fazer um show na cidade mineira de Tupaciguara, observou que, ao terminar de se apresentar, um conjunto local subiu ao palco e tocou "O menino da porteira", de Teddy Vieira e Luisinho, que animou vivamente a platéia. No show seguinte, incluiu em seu repertório "O menino da porteira" e "João de Barro", de Teddy Vieira e Cesar Cury, que acabou tendo que ser bisada por quatro vezes. Em 1973, gravou "O menino da porteira", que se tornou um enorme sucesso na sua voz. A partir de então passou a se dedicar ao repertório sertanejo. Ainda no mesmo ano sua composição "Eu sei que vai chegar a hora" obteve grande sucesso no México, na Argentina e no Peru. Em 1974 gravou com sucesso "João de Barro". No ano seguinte, lançou um disco que reunia diversos clássicos da música sertaneja, "Saudade da minha terra", que, além da música título, de Goiá e Belmonte, trazia ainda, entre outras, "Coração de luto", de Teixeirinha, "Mágoa de boiadeiro", de Nonô Basílio e Índio Vago, "Pingo d'água", de João Pacífico e Raul Torres, "Chalana", de Mário Zan e Arlindo Pinto, e "Rio de lágrimas", de Lourival dos Santos, Tião Carreiro e Piraci. Com o LP "Saudades de minha terra", recebeu Disco de Ouro. Em 1976, participou do filme "Menino da porteira", com direção de Jeremias Moreira Filho, que bateu recordes de audiência, sendo que a trilha sonora, lançada no ano seguinte, lhe rendeu mais um Disco de Ouro.
 Em 1977, participou e fez a trilha sonora do filme "Mágoas de boiadeiro", de Venceslau M. Filho. Em 1982, participou da novela "Paraíso", na TV Globo, interpretando o papel de peão-violeiro. Em 1983, participou de seu último filme, "Filho adotivo", de Deni Cavalcanti, cuja música título, de Artur Moreira e Sebastião F. da Silva, se tornou um sucesso. No mesmo ano lançou um de seus maiores sucessos, "Panela velha", de Moraezinho e Auri Silveira. Em 1984 gravou "Adeus Mariana", de Pedro Raimundo e no ano seguinte, "É disso que o velho gosta", de Berenice Azambuja e Gildo Campos, que se tornaram sucessos em sua voz. Em 1987, obteve outro grande sucesso com a gravação de "Pinga ni mim". Em 1990, participou da novela "Pantanal" na TV Manchete, formando dupla com o violeiro Almir Sater, com quem dividiu a trilha sonora da novela. No mesmo ano lançou disco com a trilha sonora da novela com destaque para "Trem do Pantanal" de Paulo Simões e Geraldo Roca, "Cavalo preto" de Anacleto Rosas Júnior e "Sinfonia Pantaneira", de sua autoria e Mário Maranhão. Em 1995, participou do disco "30 anos da Jovem Guarda". Em 1996, participou da novela "O rei do gado", atuando novamente ao lado de Almir Sater, com o qual formou a dupla "Saracura e Pirilampo", especialmente para as apresentações na novela. No mesmo ano participou do CD "Clássicos sertanejos" de Chitãozinho e Xororó, interpretando a composição "Chitãozinho e Xororó", de Athos Campos e Serrinha. Ainda nos anos 1990 participou do CD "Saudades de Tião Carreiro", interpretando "Pretinho aleijado". Lançou também o disco "Boiadeiro", onde interpretou, entre outras, "Rei do gado", de Teddy Vieira, "Disparada", de Geraldo Vandré e Théo de Barros, "Sina de violeiro", de Renato Teixeira, e "João Carreiro", de Raul Torres. Em 1997, estreou aos domingos o programa "Sérgio Reis do tamanho do Brasil" na TV Manchete. Em 1999, passou a apresentar também aos domingos o programa "Sérgio Reis" no SBT. Em seus discos, mistura violas, berrantes, sanfonas, guitarras, flautas, gaitas, violinos etc, interpretando músicas de sua autoria e clássicos da música sertaneja, o que já lhe rendeu 41 discos gravados e mais de 16 milhões de discos vendidos. Em 2000, comemorando 40 anos de carreira, lançou pela BMG a caixa "Quarenta anos de estrada", contendo 5 CDs, fazendo , nos 4 primeiros, um registro de seus sucessos, muitos deles tornados clássicos da música sertaneja, como "Panela velha", "Menino da porteira", "Adeus Mariana" e "Pingo d'água", entre outros. O disco número 5, traz interpretações do cantor para clássicos como "Chalana", "Leva eu sodade", "Assum Preto", "A volta da asa branca", "Último Pau-de-arara", Uirapuru" e "Súplica cearense", entre outros. No mesmo ano, lançou, pela mesma gravadora, o CD "Sérgio Reis e convidados", do qual diversos artistas tiveram participação especial, como Chitãozinho e Xororó, na faixa "O menino da porteira", Zézé di Camargo e Luciano, na faixa "Todas as manhãs", Roberta Miranda, em "Cabecinha no ombro", Almir Sater, em "Comitiva Esperança", Reginaldo Rossi, em "Coração de papel" e Djavan, em "Estória de cantador". Em setembro daquele ano, foi o vencedor, em Los Angeles, do 1º Grammy Latino, na categoria de Melhor álbum de música sertaneja, com o disco "Sérgio Reis e convidados". Em 2001 gravou "Nossas canções", seu 43º disco, no qual interpreta apenas músicas gravadas ou compostas por Roberto Carlos, como "Abandono", "Custe o que custar", "A namorada" e "Vivendo por viver". Nesse ano, foi inaugurada a estátua "O menino da porteira", na cidade de Ouro Fino, em Goiás. Na solenidade de inauguração do monumento, Sérgio Reis recebeu homenagens e colocou a mão na estátua, deixando, para a posteridade sua marca na praça pública da cidade que ganhou visibilidade graças a seu sucesso com a música "O menino da porteira", de Luizinho e Teddy Vieira. Em 2003, lançou o CD "Sérgio Reis & Filhos, Violas e violeiros" no qual cantou com os filhos Marco e Paulo além de realizar uma série de shows com eles incluindo uma apresentação no Canecão, Rio de Janeiro. Em 2004, já consagrado como referência na música seretaneja, apresentou-se acompanhado dos filhos em diversos programas de TV e shows pelo Brasil. Em 2005, passou a apresentar o programa "Terra Sertaneja", na TV Record. Em 2006, passou a apresentar um programa semanal de rádio (Rádio Caminhoneiro), dirigido aos caminhoneiros, retransmitido por 170 emissoras do país. Também nesse ano, participou, com Almir Sater, da novela "Bicho do mato", levada ao ar pela TV Record.
   
Ot_the-Jet-Blacks
THE JET BLACK'S - Grupo paulistano, um dos pioneiros do rock instrumental no Brasil, na linha dos ingleses Shadows (tirou seu nome de Jet black, sucesso desse grupo) e dos norte-americanos Ventures, embora também tivesse êxito com gravações vocais.
 Formado em 1961 com o nome The Vampires, seus integrantes eram Gato (José Provetti, Valparaíso SP 1941 - Rio de Janeiro RJ 1996), guitarra-solo, vocal e órgão; Jurandi (Jurandi Trindade Abreu de Silva, Rio das Contas BA 1943 - ), bateria; Orestes, guitarra-base; Ernestico, saxofone; e José Paulo, contrabaixo.
 Contratados pela Chantecler, gravaram em 1962 o primeiro disco, um 78 rpm com duas regravações dos Shadows, Apache e KonTikí. O disco fez sucesso e seguiram-se os LPs Hully gully (1962) e Twist - The Jet Black's Again (1963).
 Fizeram o acompanhamento instrumental em Rua Augusta de Ronnie Cord (1964), nos LPs de Deny e Dino e de Roberto Carlos (ambos 1966) e em diversas gravações de Sérgio Reis, Celly Campello e outros. Em 1965 fizeram suas primeiras gravações vocais, no LP The Jet Black's (1965), incluindo Susie-4, regravação do norte-americano Dale Hawkins, lançada também em compacto, junto com Theme for Young Lovers, outro original dos Shadows e que se tornaria o maior sucesso do grupo (curiosamente, a gravação dos Shadows é em ritmo de baião, e a do grupo brasileiro em rock-balada).
 Em 1968, Guilherme Dotta (São Caetano do Sul SP, 1944-) entrou para o grupo, que fez sucesso até 1969, quando passou a ter formação variável em torno de Jurandi; desde a década de 1980, apresentam-se em shows e gravam esporadicamente, principalmente novas versões de seus sucessos dos anos de 1960.
 Participaram, em 1995, da caixa de CDs 30 anos da Jovem Guarda (Polygram), com nova gravação de Apache. Em 1998, o nome Jet Black's foi assumido pelo tecladista Douglas Dotta (São Caetano do Sul 1968-); filho de Guilherme, que dá continuidade ao trabalho do grupo.
   
Ot_the-jordans
THE JORDANS - Um dos maiores grupos de rock instrumental do início da década de 1960, na linha dos ingleses Shadows e dos norte-americanos Ventures. 0 que distinguia os Jordans de outros grupos brasileiros na mesma linha, como Os Incríveis e The Jet Black's, era o uso de instrumentos pouco comuns no pop-rock instrumental, como vibrafone, bandolim e três guitarras elétricas.  
 O grupo se formou em São Paulo SP, no bairro da Mooca, em janeiro de 1956, com "Aladdin" (Romeu Mantovani Sobrinho, São Paulo 1941-) na guitarra-solo; "Sinval" (Olímpio Sinval Drago, Jaú SP 1942-) na guitarra-base; "Tony" (José de Andrade, São Paulo 1944.-) no contra-baixo; "Foguinho" (Valdemar Botelho Júnior) na bateria; e "Irupê" (Irupê Teixeira Rodrigues) no saxofone e trompete.
 Tiraram seu nome do grupo vocal The Jordanaires, que participava das gravações de Elvis Presley. Apareceram na televisão pela primeira vez em 1958, num programa comandado por Tony e Celly Campello, na Record. A primeira gravação do grupo foi um 78 rpm pela Espaciall Mocambo, o instrumental Boudah (G. Dovan e B. Drean), no início de 1961. O grupo lançou Manito (tocando bateria enquanto Foguinho servia o exército) e Mingo, que depois formaram o conjunto The Clevers. Mais tarde, o trompetista Neno, também do The Clevers, passou a fazer parte do grupo.  
 Contratado pela Copacabana em 1961, o conjunto gravou vários 78 rpm, LPs e compactos. Seus sucessos incluem: Blue star (Victor Young), em 1964, e Tema de Lara (Maurìce Jarre), em 1966. Aladdin saiu em fins de 1968 e o grupo se dissolveu pouco tempo depois. Irupê transferiu-se para o grupo de samba Raça Negra, como saxofonista e arranjador.  
 Em 1995, com Aladdin, Sinval, Tony, Foguinho e, eventualmente, Manito, o conjunto gravou um disco de reunião, Bons tempos. Ainda ativo na segunda metade da década de 1990, foi citado em revistas francesas e inglesas como um dos remanescentes latino-americanos do pop instrumental dos anos de 1960.
   
Ot_the-pops
THE POP'S - Surgiu no Rio de Janeiro em 1964, formado por: "Alípio" - PIPO (guitarra-base); "Silvio Parada" - SILVIO (Contra-baixo); e "José Henrique Parada" - PARADA (Bateria); "Mirinho"  (guitarra-solo) que foi substituído por "João Augusto César".
 O Conjunto gravou grandes sucessos que estiveram nas paradas da época, como: "In The Mood"; "What I Say"; "Rock Around The Clock"; "Ave Maria"; "O Milionário"; "India"; etc. Fizeram sucesso com composições próprias, entre elas: "As Sete Maravilhas Nº 1"; "Meu Sonho"; "Solidão"; "Miragem"; "Inspiração"; "Cantigas de Roda". Devido à originalidade e sonoridade que apresentava, o conjunto foi um dos preferidos tanto pelo público, quanto pelos ídolos, astros e estrelas dos anos 60, que adoravam cantar ao som do The Pop's. Frequentaram vários programas de televisão, tais como: "José Messias"; "Flávio Cavalcante", entre outros. Lançaram cerca de '15 LPs' e '10 Compactos'.
 Foi um dos mais importantes grupos de rock instrumental naquela época, ao lado de: "The Jordans", "The Jet Blacks", "Brazilian Bitles", "The Clevers", "The Rebelds", etc.
   
Ot_The Sputniks
THE SPUTNIKS - Em 1957 "TIM MAIA" montou a banda THE SPUTNIKS, juntamente com "ARLÊNIO LÍVIO", "WELLINGTON OLIVEIRA" e "ROBERTO CARLOS". Após um desentendimento entre Tim e Roberto, o grupo se desfez. Wellington desistiu da carreira musical. O único remanescente, Arlênio, resolveu em 1958 chamar Erasmo Carlos, Edson Trindade e José Roberto (apelidado de China) para formar um novo grupo musical "The Boys of Rock". Porém, por sugestão de Carlos Imperial o grupo passou a se chamar THE SNAKES.
   
Ot_The Snakes
THE SNAKES - Em 1958, após o Sputniks se desfazer, o único remanescente, Arlênio, resolveu chamar Erasmo Carlos, Edson Trindade e José Roberto (apelidado de China) para formar um novo grupo musical "The Boys of Rock". Porém, por sugestão de Carlos Imperial o grupo passou a se chamar THE SNAKES, e acompanhava tanto Roberto Carlos, quanto Tim Maia em seus respectivos shows.
 Foi nessa época que Roberto e Erasmo se conheceram.
 O The Snakes acompanhou também, Cauby Peixoto na gravação de "Rock and Roll em Copacabana" e de "That's Rock" (autoria de Carlos imperial) no filme MINHA SOGRA É DA POLÍCIA (1958).
   
Ot_the-sunshines
THE SUNSHINES - Conjunto musical formado em 1964 pelos irmão "JOÃO AUGUSTO SOARES BRANDÃO NETO", conhecido como 'Guty' - vocalista e "GERALDO BRANDÃO" - viola ritmo (filhos do comediante 'Brandão Filho') e, "WALTER DÁVILA FILHO" - guitarra solo (filho do também comediante 'Walter Dávila'). Ainda em 1964 entraram para o grupo "RAKAMI" (primo de Walter) - baixista e "DÂNDALO" - baterista, completando a formação original. Em 1965 saiu o baterista "Dândalo" e entrou "SÉRGIO, que permaneceu até o final de 1968, quando se separam. Eles gravaram dois LPs e vários Compactos. Seu grande sucesso foi O Último Trem (versão de Last Train To Clarksville (de The Monkees).
   
Ot_the-youngsters
THE YOUNGSTERS / THE ANGELS - Banda criada no início dos anos 60 como THE ANGELS ["CARLOS BECKER - guitarra base / substituído por LUIZ CARLOS", "SÉRGIO BECKER - sax", "CARLOS ROBERTO DOS SANTOS BARRETO, o 'GB' - guitarra solo", "JONAS CAETANO DAMASCENO - baixo", e "ROMIR PEREIRA DE ANDRADE - bateria / substitído por MAMÃO, em 1966"]; posteriormente entrou "LUIZ CARLOS", que gravaram na Copacabana, seu primeiro disco em 1962 interpretando canções em inglês e instrumentais e, foram convidados para gravar com diversos artistas, segundo contou "LUIZ CARLOS SIQUEIRA" - o guitarrista. Em 1965 mudou o nome para THE YOUNGSTERS, que continuaram gravando com vários artistas da Jovem Guarda, como foi o caso do disco "É PROIBIDO FUMAR" de Roberto Carlos, entre outros. Em "Pigmaleão" participou ao lado de Roberto e Erasmo no tema do personagem Kiko. Após 34 discos gravados incluindo os do (The Angels), chegou ao fim em 1970. Componentes: "LUIZ CARLOS", "SÉRGIO BECKER", "JONAS CAMPOR", "IVAN", e "MILTON".
   
Ot_tony-campello
TONY CAMPELLO - Sérgio Beneli Campelo), nasceu em São Paulo (SP) em 24/02/1936, onde mora ainda hoje. Cantor e produtor, interessou-se por música desde os nove anos, passando a estudar sozinho violão e piano. De 1953 a 1958, integrou o conjunto Ritmos OK, em Taubaté SP, tendo também atuado, de 1956 a 1958, no Mário Genari Filho e Conjunto.
 Fez sua primeira apresentação em televisão na antiga TV Paulista e exibiu-se no programa Galera do Nelson, da Rádio Nacional, de São Paulo. Gravou o primeiro disco em 1958, Forgive me (Odeon); no verso do disco, sua irmã Celly Campello cantava Handsome Boy (ambas de Mário Genari Filho e Celeste Novais).
 Nos dois anos seguintes, apresentou com a irmã o programa Celly e Tony em Hi-Fi, na TV Record, de São Paulo, participando ainda de shows e programas de televisão nas principais cidades do país.
 Gravou seis LPs pela Odeon, fazendo sucesso com as músicas Boogie do bebê (J. Parker e Relin, versão de Fred Jorge), Pertinho do mar (Sílvio Pereira de Araújo) e Canário (Norman Luboff, Marilyn Keith e Alan Berman, versão de Fred Jorge), gravada em dupla com Celly.
 Trabalhou nos filmes Jeca Tatu, dirigido por Milton Amaral, 1959, e Zé do Periquito, dirigido por Mazzaropi e Ismar Porto, em 1960. Em 1961 e 1962, recebeu o troféu Chico Viola, sendo que o segundo foi em conjunto com sua irmã. Viajou nos dois anos seguintes para o Paraguai e Peru. Produziu para a RCA Victor discos dos artistas Celly Campelo, Os Incríveis, Carlos Gonzaga e Chris McClayton e lançou em disco, entre outros, a dupla Deny e Dino, Sérgio Reis, Silvinha e Luís Fabiano.
 Em 1974 ganhou o prêmio Rock 74 pela produção do disco Rock das quebradas. Apresentou-se em 1975 na boate Igrejinha, de São Paulo, onde foram organizados os shows Cuba-libre em Hi-Fi, promovendo a volta de cantores de sucesso do final da década de 1950 e início da de 1960 -Celly Campello, Carlos Gonzaga, Ronnie Cord, George Friedman, Baby Santiago e Dan Rockabilly.
 Como produtor e pesquisador de música sertaneja, produziu quase todos os discos de Sérgio Reis desde 1967, além da série de coletâneas Luar do Sertão da BMG Ariola (nome da RCA Victor desde 1985). Continua a se apresentar em shows pelo interior de São Paulo.
   
Ot_trio-esperança
TRIO ESPERANÇA - Conjunto vocal formado no Rio de Janeiro RJ em 1958 pelos irmãos Mário (Mário Correia José Maria, Rio de Janeiro 1948-), Regina (Regina Correia José Maria, Rio de Janeiro 1946-) e Evinha (Eva Correia José Maria, Rio de Janeiro 1951-).
 Estreou em 1961 no programa de calouros de Hélio Ricardo e, em seguida, passou a apresentar-se no programa de José Messias, na Rádio Mundial, do Rio de Janeiro. Gravou então, na Odeon, Menino do amendoim (José Messias). O sucesso foi atingido com o lançamento de Filme triste (Loudermilk, versão de Romeu Nunes), incluído no LP Nós somos sucesso, da Odeon 1963, ao lado de O sapo (Jaime Silva e Neusa Teixeira).
 O trio apresentou-se no programa Jovem Guarda, da TV Record, de São Paulo SP, destacando-se com Meu bem lollipop (Morris, versão de Gerson Gonçalves), Festa do Bolinha (Roberto Carlos e Erasmo Carlos), Gasparzinho (Renato Correia).
 Em 1965, gravou novo LP Três vezes sucesso, pela mesma fábrica, e no ano seguinte saiu o disco Festa do Bolinha, também na Odeon. Em 1967 e 1968 gravou os LPs A festa do Trio Esperança e O fabuloso Trio Esperança.
 Nesse último ano, a cantora Evinha deixou o grupo e passou a atuar sozinha, tendo se colocado em primeiro lugar, no IV FIC, da TV Globo, do Rio de Janeiro, a Cantiga por Luciana (Paulinho Tapajós e Edmundo Souto). Integrado por outra irmã, Marisa (Marisa Correia José Maria, Rio de Janeiro 1957-), o conjunto gravou o LP Trio Esperança, em 1970, com Primavera (Cassiano e Rochael); Trio Esperança, em 1971, com Na hora do almoço (Belchior); Trio Esperança, em 1974, com Arrasta a sandália (Roberto Correia e John Lemos); e Trio Esperança, em 1975, com Marambaia (Henricão e Rubens Campos), todos na Odeon.
 Residindo na Europa, continua ativo em shows e gravações para o mercado local. Em 1992 foi lançado no Brasil, pela Polygram, o disco A capela do Brasil.
   
Ot_trio-melodia
TRIO MELODIA - ("Nuno Roland", "Albertinho Fortuna", "Paulo Tapajós"). Trio vocal que atuou na Rádio Nacional, e que foi integrado por três cantores de certo prestígio na radiofonia e nos discos. O trio foi criado exclusivamente para atuar no programa "Um milhão de melodias", apresentado a partir de 1943 na Rádio Nacional. Nesse programa, uma espécia de parada musical, eram apresentados novos arranjos para músicas de sucesso. O trio estreou cantando a valsa "Nancy", sucesso na voz de Francisco Alves. O trio fez também gravações comerciais, estreando em 1945, na Continental, com a interpretação da toada "De papo pro ar", de Joubert de Carvalho e Olegário Mariano, e o samba "Pregões cariocas", de João de Barro, em registro que contou com a participação do cantor Roberto Paiva. Nesse disco, foram acompanhados por Francisco Sergi e sua orquestra. Além da participação no programa "Um milhão de melodias" e da gravação de discos, o trio também acompanhou gravações de outros artistas como as cantoras Aracy de Almeida e Carmélia Alves.
 Em 1949, gravou a valsa "Casamento na roça", de Peterpan e Ary Folain, e a toada "Não adianta nem sanfona", de Nássara e J. Rui com acompanhamento de orquestra. Ainda nesse ano, gravou, tendo como solista o cantor Nuno Roland a marcha "Lancha nova", de João de Barro e Antônio Almeida. No ano seguinte, gravou com acompanhamento da Orquestra Continental o rojão "Catirina", de Jararaca, e a toada "Segura a saia, Iaiá", de Radamés Gnattali e Alberto Ribeiro. Ainda em 1950, gravou com acompanhamento de Francisco Sergi e sua orquestra as marchas do Fluminense, do Canto do Rio, do Flamengo e do Bangu, clubes de futebol do Rio de Janeiro, todas de Lamartine Babo. Também no mesmo ano, participou com o Trio Madrigal da gravação de Aracy de Almeida que registrou os sambas "A dor do amor", de Antônio de Almeida e João de Barro e "Tem pena de mim", de Hervê Cordovil.
 Em 1951, gravou com o Trio Madrigal uma seleção de cantigas de São João em duas partes com composições de Lamartine Babo, João de Barro, Alberto Ribeiro, Assis Valente, Osvaldo Santiago e Benedito Lacerda. Em 1952, gravou a cena-caipira "Festa de São João", de João de Barro, em duas partes, juntamente com Almirante, Jorge Goulart e Trio Madrigal. No mesmo ano, o trio gravou em conjunto com o Trio Madrigal o fox "Alice no país das maravilhas", de S. Fain e Hilliard, com versão de João de Barro, o fado "Coimbra", de Ferrão e Galhardo, os baiões "Maricota sai da chuva", de Marcelo Tupinambá, e "Vamo, Maruca, vamo", de Juca Castro e Paixão Trindade, além do tango "Mano a mano", de Gardel, Rezzano e Flores Ghiaroni. Em 1953, gravou com o Trio Madrigal o baião "Mulher rendeira", de motivo popular com arranjo de João de Barro, e com o Trio Madrigal e Carmélia Alves, a chula "Pau de arara", de Luiz Bittencourt e José Menezes, e a toada "Tristezas do Jeca", de Angelino de Oliveira, com acompanhamento de Bittencourt e sua orquestra. Nova gravação com o Trio Madrigal foi feita em 1954 com o título de "Tudo é baião", de motivos populares com arranjos de João de Barro, em quatro partes divididas em dois discos com acompanhamento de Radamés Gnattali e sua orquestra. Além de atuar por mais de dez anos na Rádio Nacional, o trio gravou 15 discos pela Continental. Em 2002, no CD "Carmélia Alves - Eu sou o baião" do selo Revivendo foram relançadas as gravações das músicas "Saia de bico", de motivo popular com arranjos de João de Barro, "O trem chegou", de Hervê Cordovil, "Tristezas do Jeca", de Angelino de Oliveira, e "Baião da garoa", de Hervê Cordovil e Luiz Gozanga, nas quais o trio aparece acompanhando Carmélia Alves. Já no CD "Grandes versões - volume 4", também do selo Revivendo, o trio aparece interpretando com Jorge Goulart e Trio Madrigal a versão de "Dominó", de Jacques Plante com versão de Paulo Tapajós.
   
Ot_waldirene
WALDIRENE - Anabel Fraracchio Soares, nasceu em 24/9/1948  São Paulo, SP. Cantora. Começou a se apresentar com a família aos oito anos de idade. Ficou conhecida como "A garota do Roberto". Começou a se apresentar sozinha em 1966 cantando em clubes como Santa Mônica, Congregação Israelita e Hípica Paulista, todos em São Paulo. Foi atração do programa Sílvio Santos. Foi lançada por Ademar Dutra como a "mais promissora artista da nova safra da Jovem Guarda" e logo em seguida contratada pela RCA Victor. Em 1966, lançou seu primeiro disco, um compacto simples com "Eu te amo, tu me amas". Em 1967, gravou "Garota do Roberto", seu maior sucesso, de Carlos I mperial e Eduardo Araújo, e "Só vou gostar de quem gosta de mim", de Rossini Pinto. Foi em seguida convidada por Roberto Carlos e atuou no programa "Jovem Guarda" na TV Record, sendo anunciada carinhosamente por Roberto Carlos como "Garota papo firme". Gravou em uma coletânea a música "Vem quente que eu estou fervendo", considerada uma ousadia na época. Seu terceiro compacto apresentou "Tempestade em copo d'água", de Nilton César e "Nem sei o que faço", de Roberto Correa. Em 1968, lançou seu primeiro LP no qual destacaram-se as músicas "Eu preciso de carinho" e "Dó ré mi", lançadas também em compacto simples. No final do mesmo ano, lançou outro compacto simples com "Suas mãos" e "Torta de morangos". Com o fim o programa "Jovem Guarda" e o declínio do movimento enveredou pela música romântica. Gravou alguns compactos e um LP pela Continental. Lançou ainda um LP pela Tapecar no início dos anos 1970. Na década de 1990, foi uma vez vencedora no Festival de Vîna del Mar, no Chile. Em 1995, quando das comemorações dos 30 anos da Jovem Guarda foi uma das artistas que mais atuou na criação e divulgação dos eventos comemorativos. Em 2005, participou de diversos eventos e shows comemorativos dos 40 anos da Jovem Guarda, como o projeto "Festa de arromba- 40 anos da Jovem Guarda", apresentado durante todo o mês de agosto, noTeatro II do CCBB (Centro Cultural do Banco do Brasil), no Rio de Janeiro, passando também por Brasília e São Paulo, no qual fez dupla com Jerry Adriani, em temporada de 3 dias, alternada com outros expoentes da Jovem Guarda, que também se apresentaram em duplas, como Erasmo Carlos e Wanderléa, Golden Boys e Vanusa,Wanderley Cardoso e Martinha. Nesse período, com agenda lotada, a cantora participou de gravações, shows e programas comemorativos por todo o Brasil.
   
Ot_wanderley-cardoso
WANDERLEY CARDOSO - Wanderley Conti Cardoso, cantor e compositor, nasceu em São Paulo (SP), dia 10/3/1945. Começou como cantor de programas infantis, destacando-se com "A Canção do Jornaleiro" (de Heitor dos Prazeres).
 Em 1962 apresentou-se no programa "Alô, Brotos", de Sérgio Galvão, na Rádio Bandeirantes (São Paulo), e dois anos mais tarde foi levado por Genival Melo para a Copacabana, onde gravou seu primeiro compacto simples, "Deu a Louca no Mundo" (versão de Nazareno de Brito) e "Rosana" (versão de Genival Melo). Ainda em 1964, gravou "Preste Atenção" (versão de Antônio Queirós), seu primeiro sucesso.
 Conseguiu popularidade nos anos seguintes com "Abraça-me Forte" (versão de Genival Melo), 1965, e "O Bom Rapaz" (de Geraldo Nunes Moreira), que, incluída no LP de mesmo nome, teve destaque nas paradas de sucesso de 1967.
 Em 1968 lançou em disco sua primeira composição, "Doce de Coco", e, um ano depois, gravou o LP "Quando o Amor Se Transforma em Poesia", em que fez sucesso a canção-título, (versão de sua autoria).
 Fez temporadas em países da América Latina e participou de festivais, como o Festival Piriapolis, no Uruguai, onde obteve em 1972 o primeiro lugar, como cantor e compositor, com "Vivo Para Ver Você Viver". Ainda nesse ano fez um show no Canecão, no Rio de Janeiro, ao lado de Regina Duarte, "Regina Mon Amour".
 Em 1973 lançou o LP "Minha Namorada", obtendo sucesso com a canção-título (de Roberto Correia e John Lemos), e com "Preciso Tanto de Você" (de José Augusto). Nesse ano excursionou pelos Estados Unidos. Em 1974 lançou o LP "Sempre Lhe Direi", com "Minha ex-Namorada" (parceria com Ivonete), "Tentei esquecer você" (de Roberto Correia e John Lemos) e "Nunca Mais" (parceria com Santiago).
 Na década de 90, continuou se apresentando em shows e gravando esporadicamente. Em 1995 participou do CD 30 anos de Jovem Guarda - Os reis do iê-iê-iê (Polygram) com nova interpretação de seu sucesso Doce de coco.
   
Outros Artistas da JOVEM GUARDA - "Biografias"
Início da Página
 
www.edimilsonmendes.com                                    Atualizado em Abril de 2017                                    Copyright © 2008 - osósia